4 meses

By Sofia B. - junho 23, 2014

4 meses.
Tão pouco tempo que passou mas parece uma eternidade.
Só hoje te chorei. Só hoje consegui.
Sinto a tua falta todos os dias. penso em ti todos os dias, mas só hoje te chorei. As lágrimas apareceram com tamanha força que não deu para conter, para esconder.
Foram os meses mais difíceis destes meus 31 anos, e sabes bem que cedo comecei a perder quem amava. Acho que foi por isso que me ensinaste a ser forte, racional. E foi com essa força que no momento de nos despedirmos agarrei a avó, a mãe, o tio e a mana. Questiono-me onde a arranjei, como consegui naquele momento não desabar e ampara-los aos quatro.

Mas hoje... hoje não consegui. Hoje foste tu que me amparaste.
Escolhi ficar por perto e não me arrependo. Mas sem me aperceber também afastei pessoas que gostava e que gostavam de mim.
E hoje não foi excepção...
Acreditei que estava pronta a caminhar depois desta mudança de rumo, mas a verdade é que estou mais magoada, assustada, do que pensava. Para evitar perder mais tarde, afasto assim que sinto uma maior proximidade emocional.
Sim, não faz sentido. Mas é o que acontece.
Embora a tua perda tenha sido diferente, foi mais uma. Foi a maior. É a que tem doído mais por ser irreversível, por não poder nunca mais ouvir-te chamar-me Loquinhas, por nunca mais rirmos juntos com as tuas aventuras de juventude, por nunca mais me pedires para apertar os parafusos ou pregar os pregos que tu já não vês.
Oiço o teu rir, o teu gargalhar por a casa. Oiço chamares-me para te levar o saco da água quente ou para ir ouvir uma notícia que achas que me interessa.
Hoje oiço-te.

Tento não pensar muito na tua dor, pois ainda aumenta mais a minha. Sei que estou a ser egoísta por querer que ficasses, sei que é apenas o corpo. Mas é no corpo que sentia o teu abraço.
Sempre me senti pequenina ao pé de ti, até mesmo quando era em mim que te apoiavas para andares, mas era sempre aquela menina que tinha um orgulho imenso por ter o avô que tinha.

Nunca te perguntei se tinhas orgulho em mim... Gosto de pensar que tinhas.
Nestas coisas esquecemos os momentos menos bons, sei que eras um bom homem, defendias os teus ideais, querias sempre mais e melhor para ti e para os teus, eras rígido com regras, transmitias uma sabedoria enorme tanto com criatividade como com conhecimento.
Nunca me vou esquecer do que aprendi contigo... 
Nunca te vou esquecer avô.
Obrigada.

  • Share:

You Might Also Like

2 comentários

  1. Força rosca... Tenho a certeza que ele estará a olhar por ti... Que te irá ajudar a guiar.. a fazer as melhores escolhas... a teres coragem para enfrentar o futuro...

    Tenho a certeza que ele está muito orgulhoso de ti... Como não poderia ter orgulho numa neta com tanta bravura e que tanto apoia a pessoa que ele amava (a tua avó)

    ResponderEliminar

Deixa a tua marca